Devocionais Graça Vida espiritual

“Medo é o caminho para o lado negro”

Escrito por Amanda Pertile

Não sei se você é fã de alguém ou alguma coisa. Eu, por muito tempo, tive poucos objetos de grande admiração. Mas, recentemente, me vi encantada com a série Star Wars. Me apaixonei pela história, seus personagens e, atualmente, boa parte de tudo que compro envolve, em algum nível, Star Wars. Como milhões de pessoas mundo afora, me rendi: welcome to the dark side of the force, eu acho. De todos os personagens cativantes dessa história, dois são meus favoritos: R2-D2, uma unidade droide super fofa e inteligente e, obviamente, Darth Vader. O episódio III, quando Anakin se torna Vader é, de longe, meu favorito.

Para você que não conhece, cabe uma contextualização.

Exibir spoiler dos eps. I a III
Anakin Skywalker era um jovem muito habilidoso, havia sido escravo, mas, após ser libertado e treinado, havia se tornado general no exército da República. Contudo, diversos fatores fizeram com que sua relação se tornasse delicada com os mestres Jedi e mais próxima do Chanceler Palpatine (o carinha do mal).

Um belo dia, Palpatine conta para Anakin uma história sobre um Sith que, ao atingir o ápice de seu poder, podia impedir as pessoas que amava de morrer. Anakin, nessa época, estava tendo pesadelos sobre Padmé, amor da sua vida, morrer. Assim, após a conversa, Anakin acreditava ter encontrado um meio de salvar seu amor de um futuro de morte.

Anakin, logicamente, não se rende ao lado negro da força apenas por esse motivo. Havia a vontade de poder mais, de não ser limitado e de provar ser “o escolhido”. Mas, se formos sinceros, veremos que a origem de tudo está no medo. Medo da perda, da morte, de não ser quem deseja, não poder o que quer.

Pulando um pouco a história, em uma batalha, o mestre Jedi de Anakin o fere e ele acaba sem as pernas e o braço esquerdo, além de estar, agora, com fortes queimaduras por todo o corpo. Palpatine chega imediatamente e o leva para uma unidade médica, onde o seu corpo é acoplado a um suporte robótico, em uma armadura negra. Ele passou a ser, naquele momento, mais máquina do que homem. Assim que se recupera, Vader pergunta a Palpatine sobre Padmé e seus filhos (ela estava grávida) e seu mestre mente, dizendo que ele a matara em sua raiva. Assim nasce o Darth Vader que conhecemos.

Padmé, de fato, morreu. Mas não foi Vader quem a matou. Ele descobriu que não a poderia salvar, mas já era tarde demais. Ele percebeu que seu poder não o havia libertado, ele agora já não poderia ser o que quisesse, apesar de Darth Vader ser muito. Em um diálogo com Padmé, quando se conheceram, ela perguntou se ele era um escravo, ao que ele respondeu: “eu sou uma pessoa e meu nome é Anakin”.

 

Vader já não era mais quem acreditava ser. Vader era, na verdade, produto do medo, da dor e da perda. Como diria Yoda, “O medo é o caminho para o lado negro. O medo leva a raiva, a raiva leva ao ódio, o ódio leva ao sofrimento”.

Do que nós temos sido produto? Produto do medo de perder algo ou alguém? Do medo da rejeição? Nossa história tem sido escrita com a tinta da dor, da culpa, do sentimento de inadequação? As linhas que preenchem as nossas páginas carregam quanto te lágrimas, de vazio, de perda de esperança e falta de fé?

A Bíblia fala, em Apocalipse 13:8, sobre um Cordeiro morto antes da fundação do mundo. Ou seja, sobre alguém que criou todas as coisas, inclusive eu e você, mesmo sabendo que cairíamos. Sobre um Deus criador, cuja base é o amor, perfeito amor que lança fora todo o medo (1 João 4:18). Ele é a luz que pode clarear as coisas quando achamos que tudo o que nos resta é a escuridão. Ele é graça para remover nossa culpa e cada pedacinho que preenche nosso vazio. Ele traz esperança e é o protagonista de uma história de amor incrível que traz sentido à nossa própria.

Calma, eu sei que parece impossível ou mesmo invenção, mas, cá entre nós, quantas coisas concretas já sugaram suas energias e te frustraram? Quantas realidades críveis te trouxeram onde você está agora? Não é hora de apostar as fichas em algo melhor? Não está na hora de apostar em quem te aceita como você está, mas se recusa a te deixar da mesma maneira? Eu apostei minhas fichas nele e te digo com toda certeza, você vai se surpreender quando conhecer a Cristo.

Então, tire sua armadura, abra mão da dor de ser seu próprio Vader e se entregue nas mãos desse Jesus, você tem uma galáxia para conquistar!


Para perguntas ou pregações e palestras na sua igreja, entre em contato. Não esqueça de curtir a nossa página, inscrever-se no canal e nos seguir no Twitter e no Instagram!

Facebook Comments

Sobre o autor

Amanda Pertile

Deixar um comentário

Share This