Devocionais Graça Vida espiritual

Em todo casamento existem crises

Escrito por Raphael Martins

Ainda sobre Cantares, faço um resumo quanto a história, que é melhor compreendida no texto anterior, mas que destaco para relembrar: o livro poético de Cantares de Salomão (ou Cântico dos Cânticos) discorre sobre uma pobre camponesa, chamada Sulamita, que é muito amada pelo grande rei Salomão e, como toda história de amor, terminou em casamento.

Em meio ao enredo, notamos quanto somos parecidos com essa moça na nossa relação com Deus, tal como era a dela com Salomão. Afinal, imerecedora, marcada pelo sol, desconhecedora das coisas do palácio, agora é convidada para comer à mesa do rei, sendo presenteada e desfrutando de todo amor que seu esposo, o rei, pode oferecer.

Sulamita está agora sendo invejada por todas as mulheres do reino. Ela ocupa um lugar de destaque: a preferida do rei, a amada. Porém, como em toda relação, existiram crises também nesse relacionamento. E num determinado dia ela dá uma mancada feia com Salomão.

Numa visão abrangente e um pouco menos poética do número quinto de Cantares, vemos que Sulamita deixa o rei batendo à porta no meio da noite enquanto o sereno molha sua cabeça (deve ter ficado resfriado). Em razão disso ele vai embora e, quando finalmente ela se levanta para atendê-lo (preguiçosa), ele já não está mais lá. Deve ter ido para casa, inclusive, bem chateado de ter ido ver a gatinha e ela não o ter recebido.

Olha que pisada! Sulamita não era nada antes de Salomão. Apenas uma jovem camponesa do deserto, na região da Palestina, mas que, por ser amada, está a viver no palácio, no conforto do reino, comendo das melhores coisas, vestindo as melhores roupas, cheirando bons perfumes, sendo muitíssimo amada pelo Rei. E como ela lhe retribui? Fechando a porta na cara do sujeito! Ou melhor, ouvindo a sua voz, mas não atendendo ao seu chamado.

Não sei você, mas eu me pareço um tanto com essa mulher. Um dia eu também ouvi a direção de Deus, porém, por minha própria conta, optei por não lhe abrir a porta. Eu estava no conforto do seu reino, comia do melhor alimento espiritual, exalava o bom perfume de Cristo. Eu era amado. Contudo, mesmo com todo esse encanto, eu não lhe abri a porta. Era confortável permanecer como estava e eu não lhe dei ouvidos. Eu pequei. Eu, assim como Sulamita, fui ingrato.

Sem tanta coincidência assim, como Sulamita, em razão do meu erro, também fui surrado e espancado pela vida. Em razão das minhas escolhas, a vida me deixou marcas, cicatrizes. E, se você se identificou com parte da história dessa moça linda, aposto que você também foi vítima de si mesmo, apanhando em consequência dos próprios atos.

Entretanto, a exemplo do que ocorre com ela, temos um rei amoroso a nos perdoar, disposto a ficar conosco, deixando para trás todas as nossas falhas. Alguém que, mesmo após a ingratidão, libera palavras de amor e reconciliação.

E é isso que vemos logo no número 6, seguindo essa história:

“Formosa és, amada minha, como Tirza, aprazível como Jerusalém […]
Quem é esta que aparece como a alva do dia, formosa como a lua, brilhante como o sol, imponente como um exército com bandeiras?”
Cantares 6.4a; 6.10 AA

Meu Deus, no número 5 acabou de rolar a maior DR! Sulamita peca contra Salomão, assim como eu e você pecamos contra Deus. Mesmo amada, peca. Mesmo de dentro do reino, peca. Mesmo ouvindo a voz do rei, peca. Mesmo com tudo que ele fez por ela, ingrata, peca. E o que ele diz ao reencontrá-la? “Formosa és, amada minha. Como alva do dia, brilhante como sol, imponente como um exercício.”

De verdade, só o amor pode tratar alguém assim, mesmo em meio ao erro. Retribuir a ingratidão com o favor. A ofensa com o perdão. O pecado com palavras de acolhimento e carinho.

Conosco não foi diferente, amigão. Pois pecamos contra o nosso noivo. Todos pecaram. Todos mereciam ser tirados do Reino e voltar para servidão do deserto. Mas Ele nos resgatou do erro, perdoou, acolheu e amou:

“Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos.”
Efésios 2:4-5 NVI

Continuando a história, Sulamita continua viver no palácio através do amor perdoador de Salomão, que não leva em conta os erros. Ele a perdoa e logo voltam com todo aquele love. Repare nas palavras que eles trocam no número oitavo, destacando como é forte o seu amor:

“As muitas águas não podem apagar o amor, nem os rios afogá-lo. Se alguém oferecesse todos os bens de sua casa pelo amor, seria de todo desprezado.”
Cantares 8.7 AA

Aliás, esse versículo me lembra um de romanos, que cabe perfeitamente pra eu e você, meu irmão:

“Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”
Romanos 8:38,39 NVI

Existe amor maior que esse? Nós temos vida eterna através do amor de Jesus Cristo, que também não leva em conta os erros.

Podemos continuar no palácio. Viver ao lado não só do rei, mas dos Rei dos reis. Sendo amados e podendo expressar nosso amor também por ele, afinal: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro.” (1 João 4.19 NVI)

Quero te dar um conselho mediante essa história e minha experiência própria: não perca tempo lamentando pelos seus erros ou chorando pelas cicatrizes que ficaram na sua alma. Ele te ama! E o amor perdoa e acolhe. O amor se encarnou na pessoa de Jesus Cristo e nos dá total acesso a Deus, seu palácio, seus manjares e seu infinito amor. Jesus é o amor perfeito. Volte-se para Ele, e serão felizes para sempre.

Imagem destacada: “_PIC8461“, por mart veronica


Para perguntas ou pregações e palestras na sua igreja, entre em contato. Não esqueça de curtir a nossa página, inscrever-se no canal e nos seguir no Twitter e no Instagram!

Facebook Comments

Sobre o autor

Raphael Martins

Ex-atleta, escritor, acadêmico do curso de Direito pelo Centro Universitário Estácio de Sá.

Deixar um comentário

Share This