Devocionais Vida cristã

A alegria que jamais acaba – Especial de Quarta de Cinzas

Escrito por Aline Ribeiro

Hoje é Quarta de Cinzas: o marco do fim do carnaval e, para muitos, também o marco do fim da alegria. Acabou o período de folia; acabaram-se as festas. Como diz o tradicional jargão brasileiro, “o ano só começa depois do carnaval”. Então, é agora que a realidade volta à tona e que paramos para considerar todos os problemas que deixamos para trás nos quatro dias de curtição.

Entretanto, esta não pode ser uma realidade para nós, cristãos. Isso não quer dizer que é proibido nos divertir na época carnaval. Os dias de descanso, de convívio com amigos e familiares, a descoberta de novos lugares, ou a viagem para o mesmo lugar que vamos todos os anos, o retiro da igreja, são sadios e devem ser aproveitados. Claro, sempre tendo em mente a orientação de Paulo de que tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém (1 Co 6.12). Mas quando falo que isso não é a nossa máxima, é porque nossa alegria não reside e jamais residirá em circunstâncias inconstantes. Temos uma fonte que flui direto do trono de Deus e que nos alegra (Sl 46.4). Não é isso maravilhoso?

Decerto, existem momentos de tristeza em nossa vida. Somos humanos e sujeitos a emoções e sentimentos. Ainda, a tristeza não é um sinal de falta de fé, como muitos têm pregado ultimamente. Contudo, aquele que tem fé consegue atravessar os momentos de tristeza, pois sabe onde se encontra a verdadeira alegria da vida: em Deus. Jó e Jesus são exemplos bem claros disso. Ambos se sentiram tristes em momentos de suas vidas, porém agarraram-se no Pai para suportarem a crise.

Quando nosso regozijo vem de uma fonte constante, não nos preocupamos ou ficamos ansiosos por coisas passageiras. Se há festa, nós curtimos e nos alegramos. Se não há, também. Há em nós uma noção de alegria eterna que não nos deixa, porque não depende de nós, não nasce em nós, mas naquele que nunca falha. Jesus, quando conversava com seus discípulos sobre eles serem ramos da Videira (Ele próprio), conclui desta forma: “Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa.” (João 15:11 NVI).

Regozijo completo, a alegria de Cristo! Uma alegria tão grande que fez com que ele suportasse a cruz por nós (Hb 12.2). É essa alegria que encontramos em Deus, que não se esvai com ventos que levam momentos embora, que não é abalada com furacões e terremotos que chacoalham nossa vida.

Nessa Quarta de Cinzas, eu só posso desejar que se você ainda não encontrou a “alegria suficiente”, você se volte para o provedor de todo regozijo duradouro. Que você conheça a alegria de ser aceito, amado e salvo, mesmo não merecendo, mesmo sendo tão falho. E se você já conhece este provedor, “Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: alegrem-se!” (Filipenses 4.4 NVI)

“Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo.” (Romanos 15.13 NVI)

Amém.

Imagem destacada: “Day 103: Joy swinging“, por Loren Kerns


Para perguntas ou pregações e palestras na sua igreja, entre em contato. Não esqueça de curtir a nossa página, inscrever-se no canal e nos seguir no Twitter e no Instagram!

Facebook Comments

Sobre o autor

Aline Ribeiro

Cristã, bióloga, professora, bibliófila, meio nerd, meio escritora, meio pianista e, como a foto sugere, meio besta.

Deixar um comentário

Share This